sábado, 19 de dezembro de 2009

Marina Silva: "Não temos como secundar o meio-ambiente"

Em entrevista coletiva na ALESP antes da Convenção Nacional do Partido Verde, a pré-candidata Marina Silva declarou que o Brasil deveria ter causado um constrangimento ético em Copenhagen. O cenário ideal teria sido o Brasil se comprometer com o aporte de recursos, além do compromisso de reduzir as emissões de CO2.

Segundo Marina Silva, os nomes mais importantes do planeta pareciam meros convidados no evento que deveria ter sido o mais importante para a mudança. Ela disse que a maior parte dos participantes chegou na COP 15 despreparado. "Se não fosse a presença da sociedade civil, o Brasil teria sido mal representado," afirmou Marina.

Ao ser perguntada sobre sua candidatura, ela disse estar na etapa final: "A primeira etapa foi a dolorosa, a de sair do PT. A segunda, a prazeirosa, que foi a de nos filiarmos ao PV. Agora estamos na laborosa, que é a de construir uma proposta eficaz, para que o Brasil, que é uma potência ecológica, assuma compromisso com a mudança."

"Nosso país tem mais de 300 milhões de terra agricultável e que pode dobrar sua produção sem derrubar nem mais 1 árvore. Precisamos apenas das ferramentas corretas para a mudança," declarou.

Marina Silva disse que é preciso tecnologia e inovação: "A COP mostrou que existe outra agenda, a agenda tecnológica, para transformar boas idéias em políticas públicas para fazer a transição".

Durante a coletiva pediram que ela avaliasse a performance do presidente Lula e da Ministra Dilma Rousseff. Marina declarou que seria prepotente de sua parte avaliar o desempenho de outras pessoas. "Eu estava preocupada com o meu desempenho," disse ela.

A senadora disse que acredita que ajudou o Brasil a chegar no encontro com metas. "Não temos como secundar o meio-ambiente, quem quiser debater o futuro tem que se atualizar na agenda da sustentabilidade", acrescentou.

Ao avaliar o acordo da COP 15 ela chamou o resultado de "pífio". Segundo a Senadora, o ideal seria que os presidentes Lula e Obama tivessem se reposicionado sobre o acordo. "O presidente Lula assumiu um compromisso com os países da África e se equivocou ao não aderir ao ato de 1 bilhão. Era um ato simbólico. Não era pelo valor dos recursos. Se o Brasil tivesse aderido, mostraria que, se um país em desenvolvimento pode colocar 10% do valor total que está sendo investido, os países ricos poderiam colocar muito mais", destacou.

"Um país que colocou 10 bilhões no FMI pode investir recursos para ter solidariedade com os países que precisam", acrescentou. Segundo Marina Silva a decisão do presidente Lula foi contraditória com o compromisso que ele assumiu com os países mais pobres. Ela lembrou que o presidente Lula abriu uma agenda que era inexistente com os países africanos, mas que o gesto de colocar recursos na cesta da COP seria imprescindível.

"A maior protagonista da COP 15 foi a opinião pública."

A pré-candidata lembrou que as 3 metas principais não foram tratadas com a devida justiça e seriedade: a meta de redução de CO2, investimentos corretos e solidariedade com os países mais pobres. Todas elas saíram insuficientes.

Pesarosa, Marina reforçou que o resultado do encontro não foi compatível com a representatividade, ao lembrar os Chefes de Estado que lá compareceram. Apesar de as negociações da COP 15 terem ficado cristalizadas, ela acredita que o Brasil fez a diferença.

"Estamos aqui porque temos uma visão de mundo. Acreditamos que já estamos maduros, para que possamos criar as estruturas para que o Brasil protagonize uma mudança histórica de modelo de desenvolvimento sustentável", discursou Marina Silva posteriormente, na convenção do partido.

"Precisamos sair da cultura da culpa para entrar na cultura da vergonha. Precisamos ter uma visão ética e criar sistemas transparentes para financiamento de campanha. Vamos corrigir os erros do passado e apostar na lisura no presente," disse ela ao incentivar uma campanha transparente.

Marina Silva encerrou seu discurso dizendo: "Eu posso dizer que do jeito que o Brasil me olha, vai dar namoro".


Outros sites e blogs que postaram a matéria:

Partido Verde

Eduardo Brandão

sábado, 12 de dezembro de 2009

Belo Monte


Tuira Kayapo, líder da tripo Kayapo protestando contra a construção da hidroelétrica Belo Monte, Rio Xingú, Pará. Se construída, a hidroelétrica será a segunda maior do Brasil e a terceira maior do mundo. O cacique, com o dedo em riste, partyicipou de audiência pública em Brasília no início do mês com Aloysio Guapindaia (primeiro à esquerda), diretor da FUNAI. O lago da usina terá 516 Km² e duas casas de força, causando forte impacto ambiental. A potencia a ser instalada é de 11.233 Megawatts, tornando-se a maior usina hidroelétrica inteiramente brasileira.





AMAZON WATCH: defending the AMAZON

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Jabor e Lula

As correntes com textos do jornalista Arnaldo Jabor contra o Governo Lula têm explicação: o jornalista sofreu veto durante a campanha presidencial de 2006...

Está circulando na internet (mais) uma com um texto de Jabor sobre os episódios de corrupção no Governo Lula. Não consegui confirmar a veracidade do mesmo...

Reproduzo abaixo a matéria do Portal Terra (2006) e logo em seguida o texto atribuído ao jornalista que recebi hoje por e-mail.



O ministro Ari Pargendler, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou a retirada da página da rádio CBN na Internet, e das páginas de todas as suas afiliadas, do comentário do colunista Arnaldo Jabor feito no último dia 10 de outubro. O juiz considerou que o comentário favorecia o candidato à Presidência da República Geraldo Alckmin (PSDB) e prejudicava o candidato à reeleição Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O pedido da liminar para retirada foi requerido pela coligação "A Força do Povo" (PT-PRB-PCdoB), que apóia a reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O advogados da coligação argumentaram que o comentário de Arnaldo Jabor teria emitido opinião favorável ao candidato Geraldo Alckmin e negativa ao atual presidente da República.

O comentário impugnado foi o seguinte: "amigos ouvintes, o debate de domingo serviu para vermos os dois lados do Brasil. De um lado, um choque de capitalismo. De outro, um choque de socialismo deformado num populismo estadista, num getulismo tardio. De um lado, São Paulo e a complexa experiência de Estado industrializado, rico e privatista. De outro, a voz dos grotões, onde o estado ainda é o provedor dos vassalos famintos. De um lado, a teimosa demanda do Alckmin pelo concreto da administração pública, e do outro, o Lula, apelando para pretextos utópicos, preferindo rolar na retórica de símbolo (...)".

A rádio foi notificada da decisão, por fax, na quinta-feira.

Redação Terra

--------------------------------------------------------------------

O texto atribuído ao jornalista:

TSE determinou a retirada do comentário de Arnaldo Jabor.

Leia o comentário de Dora Kramer, Estadão de Domingo:

'A decisão do TSE que determinou a retirada do comentário de Arnaldo Jabor do site da CBN, a pedido do presidente 'Lula' até pode ter amparo na legislação eleitoral, mas fere o preceito constitucional da liberdade de imprensa e de expressão, configurando- se, portanto, um ato de censura.'

Em outro trecho:
'Jabor faz parte de uma lista de profissionais tidos pelo Presidente Lula como desafetos e, por isso, passíveis de retaliação à medida que se apresentem as oportunidades! '

'Não deixem de ler e reler o texto abaixo e passem adiante'!

A VERDADE ESTÁ NA CARA, MAS NÃO SE IMPÕE.
(ARNALDO JABOR)

O que foi que nos aconteceu?
No Brasil, estamos diante de acontecimentos inexplicáveis, ou melhor,'explicá veis' demais.
Toda a verdade já foi descoberta, todos os crimes provados, todas as mentiras percebidas.
Tudo já aconteceu e nada acontece. Os culpados estão catalogados, fichados, e nada rola.
A verdade está na cara, mas a verdade não se impõe. Isto é uma situação inédita na História brasileira!! !!!!!
Claro que a mentira sempre foi a base do sistema político, infiltrada no labirinto das oligarquias, mas nunca a verdade foi tão límpida à nossa frente e, no entanto, tão inútil, impotente, desfigurada! !!!!!!!
Os fatos reais: com a eleição de Lula, uma quadrilha se enfiou no governo e desviou bilhões de dinheiro público para tomar o Estado e ficar no poder 20 anos!!!!
Os culpados são todos conhecidos, tudo está decifrado, os cheques assinados, as contas no estrangeiro, os tapes, as provas irrefutáveis, mas o governo psicopata de Lula nega e ignora tudo !!!!!
Questionado ou flagrado, o psicopata não se responsabiliza por suas ações. Sempre se acha inocente ou vítima do mundo, do qual tem de se vingar. O outro não existe para ele e não sente nem remorso nem vergonha do que faz !!!!!
Mente compulsivamente, acreditando na própria mentira, para conseguir poder. Este governo é psicopata!!! Seus membros riem da verdade, viram-lhe as costas, passam-lhe a mão nas nádegas. A verdade se encolhe, humilhada, num canto. E o pior é que o Lula, amparado em sua imagem de 'povo', consegue transformar a Razão em vilã, as provas contra ele em acusações 'falsas', sua condição de cúmplice e Comandante em 'vítima'!!!!!
E a população ignorante engole tudo. Como é possível isso?
Simples: o Judiciário paralítico entoca todos os crimes na Fortaleza da lentidão e da impunidade. Só daqui a dois anos serão julgados os indiciados - nos comunica o STF.
Os delitos são esquecidos, empacotados, prescrevem. A Lei protege os crimes e regulamenta a própria desmoralização Jornalistas e formadores de opinião sentem-se inúteis, pois a indignação ficou supérflua. O que dizemos não se escreve, o que escrevemos não se finca, tudo quebra diante do poder da mentira desse governo.
Sei que este é um artigo óbvio, repetitivo, inútil, mas tem de ser escrito...
Está havendo uma desmoralização do pensamento.
Deprimo-me:
Denunciar para quê, se indignar com quê? Fazer o quê?'
A existência dessa estirpe de mentirosos está dissolvendo a nossa língua. Este neocinismo está a desmoralizar as palavras, os raciocínios. A língua portuguesa, os textos nos jornais, nos blogs, na TV, rádio, tudo fica ridículo diante da ditadura do lulo-petismo.
A cada cassado perdoado, a cada negação do óbvio, a cada testemunha, muda, aumenta a sensação de que as idéias não correspondem mais Aos fatos!!!!!
Pior: que os fatos não são nada - só valem as versões, as manipulações.
No último ano, tivemos um único momento de verdade, louca, operística, grotesca, mas maravilhosa, quando o Roberto Jefferson abriu a cortina do país e deixou-nos ver os intestinos de nossa política.
Depois surgiram dois grandes documentos históricos: o relatório da CPI dos Correios e o parecer do procurador-geral da república. São verdades cristalinas, com sol a Pino.
E, no entanto, chegam a ter um sabor quase de 'gafe'.
Lulo-Petistas clamam: 'Como é que a Procuradoria Geral, nomeada pelo Lula, tem o desplante de ser tão clara! Como que o Osmar Serraglio pode ser tão explícito, e como o Delcídio Amaral não mentiu em nome do PT ? Como ousaram ser honestos?'
Sempre que a verdade eclode, reagem.
Quando um juiz condena rápido, é chamado de exibicionista' . Quando apareceu aquela grana toda no Maranhão (lembram, filhinhos?), a família Sarney reagiu ofendida com a falta de 'finesse' do governo de FH, que não teve a delicadeza de avisar que a polícia estava chegando...
Mas agora é diferente.
As palavras estão sendo esvaziadas de sentido. Assim como o stalinismo apagava fotos, reescrevia textos para contestar seus crimes, o governo do Lula está criando uma língua nova, uma neo-língua empobrecedora da ciência política, uma língua esquemática, dualista, maniqueísta, nos preparando para o futuro político simplista que está se consolidando no horizonte.
Toda a complexidade rica do país será transformada em uma massa de palavras de ordem , de preconceitos ideológicos movidos a dualismos e oposições, como tendem a fazer o Populismo e o simplismo.
Lula será eleito por uma oposição mecânica entre ricos e pobres, dividindo o país em 'a favor' do povo e 'contra', recauchutando significados que não dão mais conta da circularidade do mundo atual. Teremos o 'sim' e o 'não', teremos a depressão da razão de um lado e a psicopatia política de outro, teremos a volta da oposição Mundo x Brasil, nacional x internacional e um voluntarismo que legitima o governo de um Lula 2 e um Garotinho depois.
Alguns otimistas dizem: 'Não... este maremoto de mentiras nos dará uma fome de Verdades'!

domingo, 6 de dezembro de 2009

Mais um Brasilianista :)

Correndo com as dissertações finais...

Mas esse cara me fez chorar durante uma aula. Não por conta da paixão pelo Brasil especificamente, mas pq ele é muito otimista!!!!!

Legendas em Português!!!

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Entrevista Instituto Ethos

No dia 04 de novembro postei aqui no blog texto falando sobre a IUCN - International Union for Conservation of Nature - uma das mais influentes e respeitadas organizações no campo da conservação da diversidade biológica, da preservação do meio ambiente e da gestão de recursos naturais. A organização defende que “aprendizagem sustentável” inclui não somente o que é alcançado através dos sistemas educacionais (educação em seu sentido mais formal), mas também o que é assimilado no cotidiano, seja em casa, no trabalho ou na comunidade (leia mais).

As peças-chave para tal tipo de educação envolvem três pilares: a sociedade, o meio-ambiente e a economia, todas tendo a cultura como ponto de convergência (Tilbury & Wortman, 2004). Com o objetivo de encontrar soluções pragmáticas para que a educação tradicional se adapte às mudanças do planeta, a IUCN defende que a Educação para o Desenvolvimento Sustentável reforce os valores culturais e a utilização responsável dos recursos naturais para que a sociedade mundial encontre justiça social.
Em entrevista ao Instituto Ethos, o vice-presidente nacional do Partido Verde (PV) e vereador pelo Rio de Janeiro, Alfredo Sirkis, reforça este tripé ambiental, econômico e social dentro do conceito de sustentabilidade:

Instituto Ethos: De que maneira o PV traz para sua política partidária a questão do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável? Como isso se insere no contexto dos governos do partido?
Alfredo Sirkis: O PV acredita que a questão deve pautar a política de todo o governo. Um único ministério, como o do Meio Ambiente, não consegue levar adiante essa tarefa, já que não tem controle sobre alguns dos instrumentos mais importantes da sustentabilidade, notadamente na área econômica. Não tivemos ainda oportunidade de colocar nosso programa em prática, embora se tenha avançado em algo em determinadas prefeituras.

IE: Dê um exemplo prático de ação do partido em que a sustentabilidade (em seu tripé ambiental, econômico e social) esteja sendo o norte de políticas implantadas (num município ou Estado).
AS: Até hoje, o que temos são exemplos setoriais de políticas verdes aplicadas em contextos mais gerais, dentro do paradigma tradicional. Posso dar meu exemplo no Rio: como secretário de Meio Ambiente, nos anos 1990, e de Urbanismo, entre 2001 e 2006, consegui realizar bons projetos, como os mutirões de reflorestamento nas favelas e a maior rede de ciclovias do Brasil, mas no marco de administrações para as quais isso era, eventualmente, uma concessão aos verdes, e não uma política visando a sustentabilidade.

Leia a entrevista na íntegra:


Tilbury, D. & Wortman, D. (2004). Engaging People in Sustainability, Comission of Education and Communication, IUCN, Gland, Switerland and Cambrige, UK.

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Nosso sistema educacional funciona?

A resposta é não e o trailer do novo filme de David Terence Puttnam sobre educação já está na web.

"We Are The People We've Been Waiting For" é um longa-metragem sobre educação que foi inspirado e conduzido pelo produtor premiado com o Oscar Lord Puttnam. O filme é apoiado por vários patrocinadores, incluindo a fundação educacional independente, Edge. O filme segue as experiências de cinco adolescentes da cidade de Swindon, na Inglaterra.

O que se desenrola no decorrer do filme é uma verdade muito inconveniente sobre a educação. A conclusão a que se chega é que, embora haja sinais de primavera, uma transformação do sistema de educação é vital para que o mundo continue a competir efetivamente na era da globalização.

O mundo mudou muito, mas o nosso sistema de educação não acompanhou o ritmo. Temos de reconhecer que existem muitos caminhos para que os jovens tenham sucesso e que é necessário proporcionar o apoio adequado e criar oportunidades para que eles desenvolvam seus talentos individuais.


Texto baseado na descrição do trailer. Tradução livre.

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

Aprendizagem Sustentável

Defendo a substituição do termo Educação Ambiental e das práticas que envolvem o conceito pela nomenclatura Aprendizagem para o Desenvolvimento Sustentável ou simplesmente Aprendizagem Sustentável. Desenvolvimento Sustentável é um termo abrangente, que pode carregar consigo diversos programas, como o de Educação Ambiental. E por que usar Aprendizagem, e não Educação para o Desenvolvimento Sustentável?

A sugestão é inspirada na definição dada pela Comissão de Educação e Comunicação da IUCN - International Union for Conservation of Nature - uma das mais influentes e respeitadas organizações no campo da conservação da diversidade biológica, da preservação do meio ambiente e da gestão de recursos naturais. A organização defende que “aprendizagem” inclui não somente o que é alcançado através dos sistemas educacionais (educação em seu sentido mais formal), mas também o que é assimilado no cotidiano, seja em casa, no trabalho ou na comunidade (Tilbury & Wortman, 2004).

As peças-chave para tal tipo de educação envolvem três pilares: a sociedade, o meio-ambiente e a economia, todas tendo a cultura como ponto de convergência (Tilbury & Wortman, 2004). Com o objetivo de encontrar soluções pragmáticas para que a educação tradicional se adapte às mudanças do planeta, a IUCN defende que a Educação para o Desenvolvimento Sustentável reforce os valores culturais e a utilização responsável dos recursos naturais para que a sociedade mundial encontre justiça social.

Sendo a educação o principal agente transformador da sociedade, ela precisa também transformar-se para acompanhar as mudanças tecnológicas e necessidades ambientais. O modelo tradicional do “cuspe e giz” já não segura mais a criança informatizada. No entanto o computador e outras ferramentas modernas não substituem a experiência alcançada através da interação com a Natureza.

Cada forma de aprender tem o seu lugar como parte do mosaico necessário para o desenvolvimento de crianças e jovens. A consciência da diversidade (social, cultural e ambiental), dos valores tradicionais, dos conhecimentos e das línguas associadas com as mais variadas formas de expressão cultural que temos espalhadas pelo mundo, passarão a determinar a forma com que a Aprendizagem Sustentável acontecerá nos contextos específicos de cada comunidade.

A ONU declarou em 2005 mais uma década temática, dedicada à Educação para o Desenvolvimento Sustentável (2005-2014). Esta iniciativa precisa significar mais do que apenas uma fonte de esperança, como a maioria dessas campanhas internacionais ficam rotuladas quando chegam ao fim. A Educação precisa ser transformada para começar a formar cidadãos, ao invés de meros consumidores. Hoje temos uma massa formada por peças descartáveis, parte de um sistema econômico massacrante e injusto, sem a menor capacidade crítica e de transformação.

Tilbury, D. & Wortman, D. (2004). Engaging People in Sustainability, Comission of Education and Communication, IUCN, Gland, Switerland and Cambrige, UK.

terça-feira, 3 de novembro de 2009

Homenagem

Claude Lévi-Strauss

28/11/1908, Bruxelas, Bélgica.
01/11/2009, Paris, França.


"Meu único desejo é um pouco mais de respeito para o mundo, que começou sem o ser humano e vai terminar sem ele - isso é algo que sempre deveríamos ter presente".

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Tentando Salvar o Planeta

Os comediantes? Jacques Servin e Igor Vamos, que saem por aí representando grandes criminosos do nosso tempo, a fim de humilhá-los publicamente. Os alvos? Os líderes de grandes corporações que colocam os lucros na frente de tudo.

Os dois ativistas - também conhecidos pelos pseudônimos de Andy Bichlbaum e Mike Bonanno – já se passaram por figuras políticas e engravatados donos de empresas como a McDonald's, e já até distribuíram cópias falsas do The New York Times!! A capa dizia em letras garrafais “Acaba a Guerra no Iraque” (Iraq War Ends).

Em sua última empreitada, The Yes Man Andy Bichlbaum deu uma entrevista coletiva se passando por um porta-voz da Câmara Americana de Comércio e, antes que fosse descoberto, a notícia foi dada como verdadeira por grandes agências americanas - Reuters, Fox Business Network e CNBC (Youtube: Will the Real Chamber of Commerce Please Stand Up?).

Sensacional ;)

Cansados de blábláblá, eles lançaram uma campanha em favor da desobediência civil para chamar a atenção para o meio-ambiente. Chamada http://www.beyondtalk.net/ (“chega de falatório”, em tradução livre), é inspirada em uma citação de Al Gore.

"If you're a young person looking at the future of this planet and looking at what is being done right now, and not done, I believe we have reached the stage where it is time for civil disobedience to prevent the construction of new coal plants that do not have carbon capture and sequestration"
Al Gore

No site eles abrem inscrição para a participação em um abaixo-assinado, dizendo “Comprometo-me em participar do ato de DESOBEDIÊNCIA CIVIL NÃO-VIOLENTA COM RISCO DE DETENÇÃO a fim de convencer os nossos Líderes a fazer as escolhas certas em relação à MUDANÇA CLIMÁTICA” (tradução livre).

I PLEDGE TO ENGAGE IN NON-VIOLENT CIVIL DISOBEDIENCE AND RISK ARREST IN ORDER TO GET OUR LEADERS TO MAKE THE RIGHT CLIMATE-CHANGE CHOICES.

O humor da dupla tem muito de Michael Moore e o documentário antiglobalização "The Yes Men Fix the World", lançado em outubro deste ano, ganhou no 59o Festival de Berlim o prêmio de público na mostra Panorama Documenta.

Conheça:

http://theyesmen.org/

Entrevista:

Youtube

Brincando com a Natureza*

Se quisermos passar adiante o conceito de respeito, amor e sustentabilidade, temos que proporcionar oportunidades para que todos – principalmente as crianças – desenvolvam um relacionamento íntimo com o meio-ambiente. Ver com os próprios olhos, sentir o sussurro da mãe Natureza, explorar texturas com as ferramentas do sentido...

E que todo o corpo ouça, admire, experimente, prove e cheire o que vem da Natureza. Ao invés de consumir o que está pronto por medo do que é mutável e, portanto, desconhecido.

A Natureza é nossa principal aliada. Amiga próxima e íntima. Se conseguirmos criar nossas futuras gerações com esta afinidade, a empatia com a preservação virá naturalmente. Respeito. Proteção. Diversidade. Em todas as esferas.

Respeito gera proteção. Admiração gera proteção. Conhecimento gera todos os sentimentos necessários para que passemos a pensar em algo maior. O principal objetivo de aprendizagem hoje deveria ser formar o aluno com consciência para o desenvolvimento de um futuro sustentável.

*Texto com base no vídeo: Nature based play

quinta-feira, 15 de outubro de 2009

As Crianças e a Natureza

Muitos estudiosos acreditam que pais, responsáveis e mentores devam guiar as crianças para que elas não percam o contato com a natureza. O relacionamento com o meio-ambiente é de extrema importância na formação do ser humano e com objetivo de inspirar o mundo a fazer esta conexão a PhD e mensageira da paz da ONU Jane Goodall – primatóloga, etóloga e antropóloga britânica – idealizou o programa de TV “Roots and Shoots” (Os Pequenos e as Raízes, em tradução livre), já distribuído em 29 países*.

A Dra. Jane Goodall não é contra a tecnologia, muito pelo contrário. Reforça a importância de instrumentos a exemplo da internet como ferramenta educacional poderosa. Em sua opinião o que existe é um exagero e a internet, juntamente com a TV e outras tecnologias está “roubando” nossas vidas. Como meio de aprendizado, a tecnologia deve ser reservada para ocupar apenas um pequeno espaço do dia da criança.

"As your day is, so shall your strength be."

Este seu trecho bíblico preferido ensina “Assim como é o seu dia, será a sua força**”. Ela acredita que a humanidade tem fome de um sentido maior. Aprender a correr entre as árvores, a não se machucar, a cada passo ter uma surpresa, é essencialmente necessário para o crescimento e desenvolvimento de crianças e jovens, principalmente agora que o mundo está acordando para a importância do meio-ambiente.

Assista aqui um dos episódios (disponível somente em inglês):

A criança e a natureza: despertando a admiração**

* Dado divulgado em 2007, disponível no site

** Tradução livre

Dia do Mestre


"... Sou um homem de causas. Vivi sempre pregando, lutando, como um cruzado, pelas causas que comovem. Elas são muitas demais: a salvação dos índios, a escolarização das crianças, a reforma agrária, o socialismo em liberdade, a universidade necessária. Na verdade somei mais fracassos que vitórias em minhas lutas, mas isso não importa. Horrível seria ter ficado ao lado dos que me venceram nessas batalhas".

1922 * 1997

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Educação, criatividade e atividade física

Um amigo me enviou um vídeo de Ken Robinson intitulado “Escolas matam a criatividade?”, e pediu que eu desse minha opinião. Ken Robinson é especialista em criatividade e educação, um campo que não vem sendo desenvolvido ultimamente nos grandes sistemas educacionais. Pois bem, achei genial. E a segunda parte do vídeo, que também pode ser assistida aqui, me emocionou.

Tive que estudar a fundo John Dewey para uma dissertação recente e fiquei profundamente apaixonada. Assim como Robinson, Dewey defende que devemos montar um sistema educacional onde as crianças desenvolvam sua habilidade de pensar e utilizem sua energia física para fazer com que o aprendizado seja facilitado.

“Experimentos comprovam que quando as crianças têm a chance de utilizar atividades físicas que provocam seus impulsos naturais para brincadeiras, o aprendizado é facilitado e ir para a escola torna-se agradável, e não mais um fardo (Dewey, 2007, p.147)*.

O que eu mais gostei de aprender com John Dewey foi esta importante conseqüência que as atividades físicas tem no processo educacional. “Em parte, a atividade física se torna uma intrusa no processo educacional. Sendo considerada completamente separada da atividade mental, torna-se uma distração, um mal a ser encarado, já que todo aluno tem um corpo que acompanha sua mente à escola. E este corpo é um turbilhão de energia, que não consegue ficar parado” (Dewey, 2007, p.108)*.

Conclusão: ao invés de utilizar toda esta energia a favor, o professor passa a maior parte do tempo sufocando a atividade corporal, que é considerada maléfica para a atividade mental, impondo atitudes rígidas, silêncio e punições para os que não se enquadram. Rotula-se o problema como sendo de disciplina, quando na verdade é um problema do próprio sistema educacional.

* Tradução livre: Dewey, J. (2007). Democracy and education. Middlesex: The Echo Library.

Assista aqui:

quarta-feira, 15 de julho de 2009

CENTENÁRIO DO THEATRO MUNICIPAL

A Folha Carioca (jornal com distribuição gratuita em vários pontos da Zona Sul) traz, na edição de Julho, um artigo sobre o nosso Theatro Municipal, que fez ontem 100 anos. O artigo é do pesquisador musical Rafael Fonseca (http://www.guiadosclassicos.blogspot.com/).

CENTENÁRIO DO THEATRO MUNICIPAL

Uma cidade como o Rio, envolta em belezas naturais estonteantes, pode dar-se ainda ao luxo de ostentar um dos mais belos teatros líricos do planeta. Não é exagero. Há coisas belíssimas na velha Europa, como o Palais Garnier em Paris (aliás, inspiração para os projetistas de 1905) ou a Semper Oper de Dresden. Ou, mundo afora, a beleza moderna da Ópera de Sidney, na Austrália. Mas nosso Municipal tem um charme qualquer, suas proporções, seu rebuscamento sem grandes exageros, é imponente sem perder a simpatia... Coisas do carioca.

Me dá um certo medo quando leio que a primeira-dama do estado ficou muito entusiasmada com a idéia de se reabrir o Theatro com um show do Roberto Carlos. Nada contra o “rei”, mas cada macaco no seu galho. Afinal, o “rei” canta até em navios, não lhe falta espaço para suas apresentações. Não sou conservador nem careta, acreditem, mas há funções específicas para coisas específicas. A Sala Cecília Meireles é própria para música de câmara; colocar ali uma grande orquestra é o mesmo que enfiar um elefante num fusca (e não se trata de “espaço”, mas de acústica). A Cidade da Música teria sido uma feliz idéia se trouxesse para o Rio – e o Brasil – a idéia moderna de sala de concertos: palco central e platéias ao redor. E nosso Municipal é o grande teatro para ópera, balé, grandes concertos, orquestras internacionais, atrações que pedem um local como esse: um de nossos cartões-postais.

Nas décadas de 1920 e 30 o Municipal recebia com freqüência quase anual a Filarmônica de Viena, e, não raro, o regente era ninguém menos que Richard Strauss, o compositor de Salomé e Assim falou Zaratustra. Os anos 50 viram, aqui, Maria Callas e Renata Tebaldi no auge de suas vozes. Já nos 60 e 70, a “Era de Ouro”.

Exemplos? O maestro Kurt Masur, em 1974, regeu um ciclo inteiro das obras de Beethoven à frente da Sinfônica Brasileira. Os solistas? Ora, basta dizer que um que criou um baita caso – não tocava com alemães, por causa da IIª guerra – foi o Isaac Stern (o Concerto para violino teve de ser exceção na série e teve regência do Karabtschevsky). Outro exemplo, o Karl Richter, maior autoridade em Bach na época, que aqui se apresentou várias vezes, regendo, inclusive, a Associação de Canto Coral. Essa agremiação era considerada uma das melhores no mundo graças ao trabalho da Cleofe Person de Mattos e trouxe, várias vezes, o maestro francês Jacques Pernoo. Aqui, sob a direção dele, encenou-se na década de 60 “O Martírio de São Sebastião” com música de Debussy tendo Geneviève Page no elenco, ou a música inovadora de Honegger em “Le Roi David” e “Jeanne d’Arc au bucher” com a presença do ator francês Henri Doublier.

Eu poderia me perder fazendo uma lista imensa. Mas prefiro encerrar com um apelo, dirigido às nossas autoridades, de todas as esferas: dêem ao Municipal, e aos nossos símbolos culturais, o destino que eles merecem. Ah! E não se esqueçam que para voltarmos a ter uma programação assim, é preciso um elemento prosaicamente fundamental: dinheiro.

RAFAEL FONSECA

é pesquisador musical

www.guiadosclassicos.blogspot.com

domingo, 28 de junho de 2009

O Poder do Mito

Joseph Campbel foi uma das maiores autoridades mundiais em mitologia.

"Um de nossos problemas, hoje em dia, é que não estamos familiarizados com a literatura do espírito. Estamos interessados nas notícias do dia e nos problemas práticos do momento. Antigamente, o campus de uma universidade era uma espécie de área hermeticamente fechada, onde as notícias do dia não se chocavam com a atenção que você era estimulado a ter em se dedicar à vida interior, a aprender, e onde não se misturava com a magnífica herança humana que recebemos de Platão, o Buda, Goethe e outros, que falam de valores eternos, e que dão real sentido à vida." Joseph Campbell

Abaixo trecho da entrevista "O Poder do mito", conversa entre o jornalista norte-americano Bill Moyers e seu entrevistado, o professor Joseph Campbell sobre os mitos antigos e modernos que estão na base psíquica de todo ser humano.

Episódio 5: O Amor e a Deusa


The Power of Myth - Episode 5: Love and the Goddess

sábado, 27 de junho de 2009

Homenagem ao astro do pop Michael Jackson

Por Maurício de Souza, bem bacana.

pagina 4  on Twitpic

Clique na figura para abrir o quadrinho.

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Deu no Ex-Blog

"COCAÍNA AVANÇA NO BRASIL E CAI NO MUNDO"! ONU CONTRA A LEGALIZAÇÃO!

(ESP, 25/06) 1. O Brasil está andando no caminho inverso do restante do mundo no consumo de cocaína. Enquanto Europa e EUA reduziram o consumo nos últimos anos, o Brasil é um dos cinco países da América do Sul a registrar um aumento no número de usuários, diz o Relatório Mundial sobre Drogas -2009- do Escritório da ONU para Drogas e Crime. 890 mil brasileiros são usuários de cocaína ou 0,7% da população em 2007, quando seis anos antes o índice era de 0,4%. Da mesma forma Argentina, Uruguai, Venezuela e Equador, além da Guatemala, Honduras, Jamaica e Haiti, na América Central e Caribe.
2. A ONU apresenta no documento uma postura contrária à legalização das drogas: "As drogas ilícitas representam um grande perigo à saúde. Por essa razão, são e devem permanecer controladas", disse o diretor do UNDOC, Antonio Costa. "Legalizar só pode ser solução para quem pensa superficialmente no problema das drogas", afirma Analice Gigliotti.

Presidente Obama


“While this loss is raw and extraordinarily painful,” he said, “we also know this: Those who stand up for justice are always on the right side of history.”

("Embora esta perda seja cruel e extraordinariamente dolorosa, aqueles que lutam pela justiça estão sempre do lado certo da história.")*




*Tradução Livre

Divulgação: nova série da GNT

Sábado dia 27, às 21hs , estréia o seriado GENTE LESA GERA GENTE LESA, no canal GNT.

Sustentabilidade com muito humor. "Gente Lesa" é a nova série de ficção do GNT que mostra de forma bem-humorada e crítica como encaramos assuntos ligados à cidadania e à responsabilidade sócioambiental.

A série terá 13 episódios e a trama gira em torno de uma família que decide investir em uma consultoria de sustentabilidade como nova fonte de renda. A ironia é que ninguém na casa tem qualquer intimidade ou conhecimento sobre o tema. O programa traz uma visão diferente sobre problemas que passam despercebidos no dia-a-dia, mas que, se evitados, podem fazer uma grande diferença na preservação de recursos naturais e na qualidade de vida. O elenco principal é formado por Isio Ghelmann, Lorena da Silva, Bruna Savaget, Bianca Brunstein, Gabriel Sanches, Angélica Borges e Yago Machado.

"Gente Lesa"


Não percam!!!!!

video